Principal

postheadericon Luta Antimanicomial é marcada por eventos pela causa

 

 

A Luta Antimanicomial é um movimento em defesa dos usuários de Saúde Mental serem assistidos com atenção, humanidade e respeito.

Na última quinta-feira (26), aconteceram dois eventos pela causa. Na manhã, a Faculdade Maria Thereza foi palco para o Intervalo Musical e o lançamento do livro “O poeta que não existe”, de Denilson Santos, paciente do Hospital Pediátrico Jurujuba.

À tarde, ao lado do Terminal, aconteceu uma roda de samba pelos Centros de Atenção Psicossocial (CAPs), além da realização de uma oficina de gravura, em parceria com Museu do Ingá. A coordenadora do setor educativo do Museu, Flavia Villar, comemorava que a ação segue em sequência da Semana de Museus: “segunda vez que somos convidados para atuar na Luta Antimanicomial e é sempre um grande prazer participar“, afirmou.

Por volta da roda de música, que tocava clássicos de samba, estavam barracas de vendas da Economia Solidária, outra parceira do evento.

A grade do Terminal serviu de mural para artes sobre a causa, com frases como “prender não é tratar” e “cuidado em liberdade”. Também eram exibidas fotos do Construção de Memórias, projeto de fotografia de Mariana Pêgas que incentiva a arte fotográfica para pacientes da Saúde Mental. O CAPs AD (Álcool e outras Drogas) exibia trabalhos da sua oficina de mosaico.

Tudo inspirava para a defesa da normalização daqueles que estão sendo assistidos pela Saúde Mental, atualmente gerida pela Fundação Estatal de Saúde (FeSaúde). Como estava escrito no folder que era distribuído para os transeuntes: “A ideia é que as pessoas com necessidades de cuidado em saúde mental melhorem e consigam ter o maior nível de independência possível, que tenham acesso aos direitos básicos da vida, que possam trabalhar, passear pela cidade... tenham qualidade de vida!”

 

 

 

 
DIGITE SUA BUSCA
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner