Principal
Banner

postheadericon SAMU realiza evento pela Semana da Enfermagem

samu2

 

 

Em sua 13ª comemoração pela Semana da Enfermagem, a coordenação do Serviço de Pronto Atendimento (SAMU) da Metropolitana II organizou, nesta quinta (24), em Niterói, uma grande confraternização pela ocasião. O evento teve como tema a Educação Permanente, de capacitação dos condutores no atendimento pré-hospitalar e ocorreu no auditório do Hospital Municipal Carlos Tortelly, no Centro.


Reunindo gestores e profissionais dos sete municípios pertencentes à Metro II (Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Tanguá, Rio Bonito, Silva Jardim e Maricá), o evento contou com palestras, sorteios de brindes, homenagens e diplomação dos multiplicadores regionais – os profissionais do SAMU que aderem aos cursos de capacitação.

 

Durante a manhã, foram realizadas práticas integrativas e complementares, como shiatsu, arte terapia e auriculoterapia e a enfermeira Wendy Bueno trouxe uma palestra sobre o resgate do protagonismo da enfermagem.

 

A categoria se estabelece com Florence Nightingale, durante o século XIX, percussora da área ao reduzir a taxa de mortalidade na Guerra da Crimeia utilizando do modelo biomédico.

 

À tarde, na primeira mesa, o médico Ramon Sánchez, vice-presidente de atenção hospitalar (VIPAHE) de Niterói, representou a secretária de saúde Maria Célia Vasconcellos: “muito me honra estar aqui e prestigiar esse trabalho com tanta gente em que atuei junto salvando vidas. Tenho muito orgulho dos enfermeiros que são mestres na assistência e no cuidado direto com o paciente”.

 

“Se não fosse esta regional, criada por um esforço muito grande, municípios menores não teriam o serviço. Juntos utilizamos critérios técnicos e de classificação de risco para o atendimento”, continuou Olavo Cabral, coordenador-geral do SAMU Metropolitana II.

 

Ainda nessa mesa, participaram Eduardo Lelini, coordenador estadual de urgência e emergência; Ana Lucia Teles, presidente do Conselho Regional de Enfermagem (COREN); Flavia Knust, coordenadora de urgência e emergência de Silva Jardim; e Ana Paula Santos, coordenadora da base SAMU de São Gonçalo.

 

Na construção de parcerias, Claudia Marcia do Rotary Clube foi chamada para apresentar sua instituição: “ajudamos o Hospital Universitário Antônio Pedro na criação do banco de leite materno e estamos ao dispor para ajudar o SAMU”.

 

Após a intervenção, a enfermeira Lilian Prates foi convidada a apresentar seu trabalho na coordenadoria do projeto Capacita COREN, que fornece cursos para os associados ao Conselho Estadual de Enfermagem.

 

“Não é a toa que enfermagem rima com coragem e samuseiro com guerreiro”, sentenciou Lilian ao apresentar as atualizações internacionais no trato dos socorristas sobre as paradas cardiorrespiratórias, politraumas e Acidente Vascular Cerebral (AVC). “Mesmo o auxiliar e técnico de enfermagem tem capacidade usar o desfibrilador e de procurar saídas na assistência ao identificar limitações”, afirmou.

 

Reafirmando a importância do Conselho Estadual de Enfermagem em investir na capacitação dos profissionais, para além do papel de fiscalizador, Lilian, no entanto, terminou sua fala ressaltando preocupação com os cursos de graduação a distância para enfermeiros: “é importante que sejam sempre presenciais”.

 

Na exposição seguinte, a coordenadora de Educação Permanente do SAMU Metro II, Olguimar Dias, afirmou que a preocupação com capacitação dos socorristas surgiu desde o começo do SAMU, com cursos em áreas como emergência clínica, psiquiatria e desastres: “realizamos formação dos multiplicadores locais e encontros para as trocas de experiências”.

 

As quatro apresentações consequentes eram desses socorristas-educadores da 3ª turma de multiplicadores. Renan Monteiro (SG e Maricá) e Paulo Moreira (Niterói) trouxeram a questão da espiritualidade no serviço – em que o emocional e o conforto pela fé diante da morte influenciam no resultado fisiológico do paciente; Maria Emília dos Reis e Ana Lúcia Alves (ambas de Niterói) trataram do trauma nas gestantes – quais são as alterações fisiológicas preocupantes como o aumento do volume sanguíneo e a melhor forma de posicionar a gestante no veículo que é na prancha longa e para o lado esquerdo; Vera Almada (SG) e Sérgio Barbosa (Tanguá) versaram sobre o AVC – seus fatores de risco, como hipertensão e alcoolismo; e sintomas, como boca torta e perda de força.

 

Por fim, Hans Bosson (de Maricá e Niterói) trouxe o caso dos acidentes com múltiplas vítimas e o método start de triagem. “O profissional deve pensar rápido, abrir seu leque de visão para salvar a maior quantidade de pessoas possível, dentro da separação de atendimento entre as lonas verde, preta, vermelha e amarela”.

 

Ao final do evento, certificados foram entregues e sorteios com diversos brindes foram realizados. “Muito gratificante esse acolhimento e o reconhecimento do nosso trabalho”, afirmou uma das participantes, a técnica de enfermagem Angela Ferreira.

 

 
Banner
Banner
DIGITE SUA BUSCA
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner